F.A.Q.

Principais
questões
levantadas

Sobre o conceito do Prêmio:

Acreditamos que as transformações acontecem a partir das pessoas. Apostamos na seleção de trajetórias transformadoras para valorizar e reconhecer profissionais públicos que nos inspiram, geram identificação em outros profissionais e na sociedade. Buscamos humanizar e reforçar o papel da administração pública como mediadora de conflitos e desafios sociais do Brasil.

Além disso,  esperamos ousar para que essa iniciativa possa:

  • Identificar, reconhecer e valorizar profissionais com Espírito Público e, assim, contribuir para uma gestão pública mais engajada, justa e efetiva para todos e todas.
  • Ressignificar a imagem do profissional público no Brasil e mudança de mentalidade da sociedade em relação aos profissionais públicos ao disseminar as trajetórias vencedoras. 

Disseminar boas práticas, mas sobretudo, as principais capacidades e habilidades necessárias entre as diferentes esferas governamentais e setoriais para conduzir boas políticas públicas. Considerando como premissa, que para capacitar governos é preciso olhar para as pessoas que neles atuam.

Em especial, gostaríamos de conhecer contribuições, ao longo de sua trajetória no setor público, que primeiramente estejam alinhadas com os princípios e valores do prêmio, sendo eles:

  • Diversidade
    Reconhecer as diversas realidades e pessoas de diferentes gêneros, raças, etnias, territórios, idades e pluralidades presentes no país;
  • Excelência
    Compromisso com a qualidade técnica e a promoção da melhoria contínua dos serviços públicos para a sociedade brasileira;
  • Iniciativa
    Atitude propositiva e engajadora para solução das grandes questões públicas;
  • Colaboração
    Importância de fazer com o outro e a prevalência de trocas e articulação com outros atores.

Além dos princípios, as contribuições realizadas em sua trajetória também serão analisadas com base nos critérios e subcritérios de avaliação, que compreendem: impacto social, contribuição técnica, capacidade de mobilização e efeito multiplicador e iniciativa e integridade

Importante ressaltar que queremos evitar estereótipos idealizados da pessoa que resolve tudo sozinha, que não comete erros, não possui inseguranças e nem se abala emocionalmente com a complexidade que é servir na administração pública.

Entendemos que ninguém faz nada sozinho, mas queremos reconhecer o valor de cada uma das pessoas e seu trabalho a  longo prazo no setor público. Por isso, desenvolvemos uma premiação que olha para trajetórias individuais, valorizando também as contribuições de uma pessoa no trabalho coletivo e em equipe. Para nós, essa dimensão é tão importante que está em um dos nossos subcritérios, identificar uma atuação colaborativa com equipe e outros atores.

Contemplando também a importante perspectiva do trabalho coletivo, nesta edição, no eixo setorial Educação serão reconhecidas equipes que tenham contribuído para impactar nos grandes desafios dessa área.

Além disso, a partir desta edição incorporamos a categoria Instituições que Transformam, que terá um tema diferente a cada ano e, em 2021, reconhecerá instituições públicas que atuam e desenvolveram ações no eixo de Segurança Alimentar, no período entre 2020 e 2021. Contudo, diferente das outras categorias, em Instituições que Transformam poderão se inscrever as organizações públicas que forem indicadas por parceiros do Prêmio Espírito Público.

Sobre as categorias e eixos setoriais da edição 2021:

O Prêmio Espírito Público busca contemplar as áreas de governo que apresentaram grandes desafios públicos ao decorrer do último ano, a fim de garantir uma maior visibilidade a esses profissionais, cuja atuação se encontra frente a frente com esses desafios.

Dessa forma, não é possível refletir sobre as grandes questões públicas do último ano sem olhar para o ainda vigente contexto da pandemia causada pela COVID-19. À vista disso, o prêmio reconhece que há oportunidade de valorizar tanto os profissionais que atuam no eixo de assistência social, devido ao crescimento de diversas situações de vulnerabilidade social, quanto às instituições que desenvolveram respostas para atender o aumento da insegurança alimentar nesse período. 

Dado esse cenário, esses eixos merecem notória visibilidade pela principal premiação da sociedade civil voltada para a valorização e o reconhecimento de trajetórias de profissionais públicos que se dedicam à promoção de serviços públicos de qualidade.

Nessa mesma intenção, compreendemos que o eixo de Meio Ambiente, Educação, Gestão de Pessoas, Saúde, e Segurança Pública, permanecem com agendas públicas com questões ainda oportunas para o nosso atual momento.

Isso não significa que as demais áreas não sejam relevantes, contudo o prêmio visa ter esse olhar dinâmico para as questões públicas mais pertinentes ao contexto político e social da sociedade, ao longo de suas edições.

Considerando o atual contexto da pandemia e suas implicações sociais, a educação brasileira enfrenta um grande desafio, no que tange a garantia ao acesso à educação pública e de qualidade para todos os níveis de ensino.

As dificuldades perpassam desde questões de como garantir o acesso às atividades remotas a como não regredir nas metas nacionais de educação, sejam elas de acesso ou desempenho, tais como: taxa de pessoas matriculadas na educação básica, redução da evasão escolar, redução da distorção idade-série, melhoria dos indicadores de qualidade de ensino, formação dos professores, financiamento e outros compromissos relacionados à educação.

Dessa forma, compreendemos que para o enfrentamento dessas dificuldades, o trabalho em equipe se torna ainda mais relevante. Por esse motivo, queremos receber projetos desenvolvidos por equipes, por compreendermos que o esforço coletivo é essencial para propor mudanças e respostas mais escaláveis para essa grande questão pública.

Nesse sentido, são bem-vindas inscrições de equipes compostas, por exemplo: professores que trabalharam em conjunto para mitigar os impactos da pandemia no ensino; professores e gestores que trabalharam no monitoramento e diagnóstico desses desafios; entre outros.

Nesta edição, a categoria Equipes que Transformam premiará profissionais que atuam no eixo setorial de Educação. A equipe deverá ser composta por no mínimo 3 (três) e no máximo 10 (dez) profissionais públicos, sendo uma pessoa representante da equipe e responsável pela inscrição.

Além disso, todos os membros da equipe deverão ter, no mínimo, 5 (cinco) anos de atuação no setor público brasileiro na última década, mesmo que de maneira não consecutiva.

O eixo setorial Gestão de Pessoas se destina a todos aqueles profissionais que atuam nessa área, independente da área de governo, isto é, econômico, ambiental, Estado, infraestrutura e social.

O mais importante é identificar trajetórias inspiradoras e que geraram contribuições importantes para todas as frentes de desenvolvimento, treinamento, recrutamento e valorização, entre outras, voltadas para as pessoas que trabalham no serviço público brasileiro.

A categoria Instituições que Transformam tem como objetivo reconhecer esforços de instituições da administração pública brasileira direta ou indireta (inclui fundações, autarquias e empresas públicas), nas esferas federal, estadual ou municipal.

Nesta edição, o eixo setorial dessa categoria é a segurança alimentar, ou seja, serão reconhecidas organizações públicas que  desenvolveram iniciativas nessa área, no período entre 2020 e 2021. Assim, não é necessário ser uma organização que atua exclusivamente nessa área.

As instituições serão indicadas pelos parceiros do prêmio, e apenas as instituições indicadas serão convidadas a se inscrever.

Não, é importante que a equipe apresente um projeto em execução ou já concluído, e que seja possível apresentar os principais resultados esperados com o projeto, assim como a trajetória e o engajamento da equipe com a iniciativa inscrita.

Sobre o processo de avaliação:

O prêmio possui quatro critérios de avaliação, que se desdobram em subcritérios a serem observados pelo júri e comitê setoriais, sendo eles:

Impacto social

O candidato ou equipe deverá demonstrar quais foram as suas principais contribuições e resultados para a sociedade brasileira e/ou para a gestão pública durante a sua trajetória ou projeto. 

Subcritérios:

  • Atendimento das necessidades sociais e da organização
  • Relevância da política e qualidade da prática implementada
  • Uso de dados e evidências na tomada de decisão
  • Criação de capacidade institucional

 

Contribuição técnica

O candidato ou equipe deverá demonstrar capacidade de gerar contribuições técnicas para o seu campo de atuação. Para isso, deverá apresentar quais metodologias embasaram suas ações, e quais ideias, métodos, ferramentas, abordagens e aplicações inovadoras desenvolveu ao longo de sua trajetória ou projeto. 

Subcritérios:

  • Utilização e disseminação de metodologias
  • Relevância da contribuição técnica: resolutividade e impacto
  • Grau de inovação: pertinência, viabilidade e aplicações práticas

 

Capacidade de mobilização e efeito multiplicador

O candidato ou equipe deverá demonstrar sua capacidade de inspirar, engajar e mobilizar seus colegas no ambiente de trabalho, por meio de uma atuação empática e colaborativa. 

Subcritérios:

  • Capacidade de liderança e inspiração
  • Atuação colaborativa com equipe e outros atores
  • Atuação transparente e aberta à participação social 

 

Iniciativa e integridade

O candidato ou equipe deverá demonstrar como agiu diante de contextos adversos e não favoráveis, como transformou situações em aprendizados durante a sua trajetória, e quais são suas motivações para atuação no setor público.

Subcritérios:

  • Capacidade de adaptação e superação
  • Atuação integra e comprometida com a defesa do setor público: propósito e motivação
  • Consciência da sua trajetória e incorporação de aprendizados

Os critérios de avaliação para seleção das instituições que transformam são três:

Impacto social

Serão analisados os resultados que o programa ou ação desenvolvido entregou à sociedade para garantir a segurança alimentar para a população, considerando a eficiência e efetividade da política ou ação implementada. Para tanto, é imprescindível que as instituições apresentem resultados que garantam a autonomia e o acesso à alimentação adequada, respeitando a diversidade cultural e econômica.

Adaptabilidade

O desafio de acesso regular a alimentos de qualidade pela população se intensificou no último ano. Por isso, muitas instituições, que já atuavam ou não especificamente com a temática, desenvolveram respostas emergenciais adicionais para essa questão. Dessa forma, a capacidade de inovação e adaptabilidade para desempenhar ações intersetoriais comprometidas com a segurança alimentar das pessoas em situação de vulnerabilidade será apurada considerando o potencial de inovação e a capacidade de dar novas respostas / atender a essa demanda

Atuação transparente e aberta à participação social

A abertura à participação social, por meio de consultas e disponibilização de informações acessíveis e de fácil compreensão, é fundamental para garantir uma política de segurança alimentar de qualidade e aderente às necessidades dos cidadãos. Por isso será avaliado nas instituições a qualidade da informação disponível à população sobre a ação e as instâncias de escuta disponíveis para o aprimoramento e reconhecimento do programa ou ação pela sociedade.

Sim, sendo a diversidade um dos princípios norteadores do Prêmio dessa edição, buscaremos garantir a representatividade no processo de seleção das pessoas vencedoras por meio da priorização de inscrições de pessoas não brancas, mulheres e pessoas não cisgêneras, e habitantes das regiões norte e centro-oeste, com exceção do Distrito Federal. Por esse motivo, reforçamos a prática de autodeclaração, caso você seja um candidato que pertença a um desses grupos.

O júri do Prêmio Espírito Público será composto por representantes do setor público, academia, terceiro setor e organizações com atuação em cada categoria, além dos vencedores da edição do ano passado.

Para mais informações sobre júri e formatos de avaliação consulte o regulamento.

Os membros do júri receberão um manual de instruções que estabelece que, se eles tiverem tido contato ou trabalho, ou ainda, conhecerem o candidato, eles devem comunicar ao Comitê Gestor do prêmio que não podem avaliar aquela inscrição. Neste caso, o jurado receberá o material de um novo candidato para avaliar no lugar do perfil de quem conhecia. No caso dos membros do Comitê Setorial, eles não poderão votar no pré-finalista com o qual tiveram algum tipo de interação anterior.

Sobre os candidatos:

Não, apesar de reconhecermos a relevância de todas as pessoas que se dedicaram ao serviço público de qualidade, a proposta do prêmio é identificar profissionais que ainda atuam no serviço público contribuindo para os atuais desafios do setor público e da sociedade.

Somos entusiastas das trajetórias que estão começando sua atuação no setor público, e acreditamos que podem se tornar grandes lideranças inspiradoras para o setor. Inclusive é do interesse do prêmio, incentivar por meio do reconhecimento e valorização desses profissionais, e em um círculo virtuoso, futuros profissionais públicos com propósito de transformar a sociedade.

No entanto, o prêmio é voltado para profissionais que já tenham uma trajetória dedicada ao serviço público, por esse motivo, é necessário ter no mínimo 8 anos de experiência no serviço público de forma integral.

O intuito do Prêmio Espírito Público é reconhecer pessoas que dedicam suas vidas e carreiras ao serviço público. O fato de estabelecermos o mínimo de 8 anos de serviço público, é um critério objetivo que nos permite avaliar que o profissional trabalhou em pelo menos dois governos diferentes (mesmo havendo reeleição), demonstrando suas contribuições em diferentes situações, ambientes, contextos, equipes, etc.

Também é possível ter atuado como terceirizado de organizações públicas ou por meio de concursos públicos temporários – sabemos que, em algumas esferas, isso é bem comum.

O Prêmio não contempla pessoas que estejam exercendo cargos eletivos no momento da inscrição ou pessoas que exercem função de dirigente em partidos políticos.

Sim, profissionais de qualquer nível hierárquico podem concorrer, com exceção dos cargos eletivos. Além disso, podem concorrer ao Prêmio servidores públicos concursados ou comissionados, em atividade a no mínimo 8 anos, em qualquer esfera (municipal, estadual ou federal), dentro das categorias listadas para o prêmio.

O espírito público é o ideal do profissional público que gostaríamos para o Brasil. Desta forma, não estamos avaliando projetos para comparar qual gerou maior impacto. Nosso foco é entender a capacidade do profissional exercer seu espírito público e gerar impacto dentro dos contextos e realidades de cada esfera e em sua região (municipal, estadual ou federal).

Sobre as instituições realizadoras:

O Prêmio Espírito Público é uma iniciativa coletiva, apoiada por entidades da sociedade civil (ONGs e Fundações). Todas elas contribuíram para a realização do prêmio, quer seja com recursos financeiros e/ou apoio técnico.

O Prêmio Espírito Público é um projeto da Parceria Vamos – formada pela Fundação Lemann, Instituto Humanize e República.org. A parceria busca  contribuir para o fortalecimento das lideranças do setor público e do terceiro setor a partir da construção de um modelo inovador de cocriação e investimento compartilhado.

Sobre o prêmio em si:

Diferentemente de outras iniciativas nos quais o uso do recurso recebido precisa ser direcionado a um projeto específico, esse prêmio celebra o conjunto da obra realizada por uma pessoa até o momento, e, para homenageá-la em sua integridade, possibilita que o prêmio seja utilizado pelo vencedor da forma que ele julgar que é o melhor uso para o valor recebido.

Embora o valor do prêmio possa ser um atrativo, a lógica na qual o formulário de inscrição foi elaborado, requer que em diferentes áreas cada candidato seja capaz de dar exemplos e evidências de suas contribuições. Também pedimos a indicação de pelo menos 3 pessoas de referência, as quais serão consultadas no caso do candidato ter passado por alguns filtros anteriores. Todavia, para fazer a validação final e minimizar os riscos de surpresas com os finalistas e vencedores, uma auditoria independente fará a validação final dos vencedores em cada uma das categorias.

Não será feito esse tipo de condicionamento, uma vez que, a despeito de continuarem ou não sua trajetória no setor público, são pessoas que já realizaram uma trajetória consistente de contribuições ao longo de pelo menos 8 anos. Inclusive, porque muitos candidatos podem vir a ser pessoas que estão prestes a se aposentar.

No entanto, vale destacar que os organizadores e parceiros do prêmio podem convidar os vencedores a participarem de outras atividades, presenciais ou por videoconferência, para relatar suas experiências, em prol da disseminação de boas práticas no setor público.

Fale
Conosco

Entre em contato
conosco.

Teremos o maior
prazer em ajudar.

Assine nossa newsletter

[email protected]